RE\VER\SE

RE\VER\SE apresenta o resultado das saídas de campo nas mediações da Comporta, iniciadas em junho de 2019, sob a forma de levantamento
da paisagem em justaposição com conteúdos escritos que enunciam os temas que se pretendem questionar.
O trabalho exposto inclui uma selecção de elementos naturais recolhidos nas várias deambulações, apresentado sob a forma de instalação que
simula um aparato de investigação cientifica e a sua representação / interpretação em diversos médiuns: desenho, pintura, fotografia, encáustica
e vídeo. Este trabalho apresenta uma abordagem figurativa do material recolhido e meio envolvente, assim como desenhos a partir de macro
fotografias das célula e desenvolve-se progressivamente numa abstração que integra todos os elementos com a palavra escrita.
Em paralelo é apresentada uma colecção de enunciados de pensamento sob a forma de textos / palavras, excertos de autores, fragmentos
de diálogos e outras associações mentais originadas durante o processo. Erráticas reflexões sobre a vertiginosa actualidade, com referência
a teóricos de várias áreas do conhecimento, desde a Filosofia e Religião à Neurociência e Economia Política.

As saídas de campo são o ponto de partida e pretexto para apontar, a necessidade de subtracção e reflexão. O meio natural surge como a
representação da vastidão e mistério, e neste contexto surge como um ‘espaço de desvio’, um retiro à norma (Of Other Spaces - Foucault)
- um ‘não lugar, um espaço invisível de pausa, ócio e silêncio. A acção do passeio contemplativo é em si uma chamada de atenção para
a introspecção e uma contestação à pressão de produzir e ser eficiente, questionando o paradigma económico vigente, cuja lógica permeia
e define a actual forma da existência humana.

exhibition view, Casa da Cultura da Fundação Herdade da Comporta, Julho 2020

*

*

*

*

*